4 minutos leitura

Muitas vezes, ao longo da História da imprensa, os protagonistas principais das notícias são os animais. Por proezas que fizeram ou por acidentes que causaram.

Ainda tem dúvidas sobre a inteligência dos animais não-humanos? Se sim, a próximas estórias poderão fazê-lo mudar de ideias. Ou, pelo menos, dar-lhes o benefício da dúvida. Afinal, o que pensar de uma vaca que acendia a luz para dormir? A notícia surge nos jornais Diário de Notícias de 31 de Maio de 1970 e O Século de 1 de Junho do mesmo ano, e é contada pelos próprios donos, João da Silva Gamenho e Maria José, residentes na Carvoeira, concelho de Mafra.

Todas as noites, Maria José acendia a luz do estábulo para poder mungir a vaca. Terminado o trabalho, desligava o interruptor, deixando-a (e ao burro que com ela vivia) às escuras. Para surpresa do casal, pouco tempo depois, voltava a haver luz no curral. Intrigados, chegaram “a pensar em almas do outro mundo e em bruxedo”, conta-nos O Século.

Maria José e o marido decidiram investigar o caso. Uma noite, depois de apagarem a luz, puseram-se de vigia, e assim descobriram o que se passava. A resposta ao mistério era muito mais simples do que tinham imaginado, e nada tinha que ver com assombrações: o interruptor era accionado pela vaca.

Percebendo que mexendo no interruptor o estábulo se iluminava, o animal começou a bater-lhe com a cauda até se fazer luz. O casal mudou a localização do interruptor, mas a vaca não se deu por vencida. Uns dias mais tarde, descobriu onde estava o botão e voltou a acender a luz mal a deixavam sozinha com o burro. A solução foi colocar o interruptor a uma altura em que o animal não chegava com a cauda. 

Crias, crias e mais crias

Dois anos antes, em Junho de 1968, foi a vez de duas coelhas e uma cadela serem notícia no Diário de Notícias depois de terem dado à luz. Algo que só foi digno de surgir nas páginas de um jornal generalistas devido ao número de crias em causa: 30 coelhos e 17 cachorros.

Os cachorros eram filhos de um casal de cães de raça setter irlandês. Ela, residente em Queluz, no concelho de Sintra; ele, em Lisboa. Dois dos cachorros morreram pouco tempo depois do nascimento, mas os sobreviventes eram bastante saudáveis. Alguns tiveram que ser alimentados a biberão pelos donos, pelo facto de a mãe não ter tetas suficientes para amamentá-los a todos.

Mais ou menos na mesma altura, também em Queluz, causou surpresa a notícia de uma coelha que teve 16 crias – uma sobreviveu pouco tempo; as restantes foram alimentadas a biberão. No entanto, rapidamente este recorde foi quebrado. O mesmo jornal noticiava, uma semana mais tarde, que uma coelha da Guarda dera à luz… 18 filhotes. Mais curioso ainda foi a forma como ela resolveu o problema da amamentação de tão grande prole.

De acordo com o dono, Evaristo André, residente em Vila Franca do Deão (Guarda), a fêmea dividiu os coelhitos em dois grupos, de cinco e 13, saltando de um grupo para o outro em intervalos regulares. 

Quando dormir a sesta é perigoso

Desfecho menos feliz teve a última estória que hoje vos trazemos. Em Julho de 1930, o jornal O Século relata a triste sina da criada de um lavrado da freguesia de Vairão, em Vila do Conde. Uma certa tarde, a jovem foi ao campo cegar feno para o gado. A determinada altura, deitou-se à sombra de uma árvore, e adormeceu profundamente.

Segundo O Século, talvez atraída pelo cheiro a leite que emanava da roupa da serviçal (responsável por mugir as vacas), uma cobra entrou-lhe pela boca. Apesar de ter acordado nesse momento, e de ter tentado puxar o bicho, os esforços da criada foram em vão. A cobra conseguiu alojar-se no seu esófago. E nem com a intervenção dos médicos foi possível salvar a jovem, que morreria “após três dias de torturante sofrimento”.