4 minutos leitura

O Faktual é um site aberto à colaboração de todos os jornalistas que queiram participar com o envio de artigos de análise. Como é óbvio, e não se tratando de censura, serão descartados artigos onde se detectem falsidades ou inverdades factuais.

Por isso, vamos por fases. A ideia é criar uma espécie de grupo de colaboração onde o único investimento financeiro feito até ao momento, tem sido pessoal. Não existem milhões de euros de “investidores” nem teremos de dar contas a uma série de pessoas que anseiam tirar dividendos deste projeto.

Mas, como pagar salários? Não há salários envolvidos. Os jornalistas que queiram apostar neste projeto investem com conteúdo, mão de obra, e as receitas serão distribuídas de acordo com aquilo que o projeto angariar.

E é aqui que entram os leitores. Habituados que estão a ter informação, conteúdos de borla, sem pensarem que quem escreve, quem publica, faz disto profissão e precisa de pagar as suas contas, como toda a gente, irão poder continuar a ler, mas deixamos à sua consciência colaborar com contribuições.

O dinheiro angariado será distribuído, depois de pagar os custos operacionais, em proporção de visitas e page views aos artigos da autoria dos jornalistas que colaboram com o Faktual.

Os jornalistas interessados na colaboração com o projeto devem manifestar o seu interesse sendo que haverá uma reunião, a anunciar em breve, com todos eles, de forma a que o contacto pessoal contribua para esclarecimento de dúvidas.

É preciso agir e tomar as rédeas da profissão. Só desta forma os jornalistas voltam a ter força e a ser profissionais respeitados.

Além disso, apesar deste pontapé de saída, há pormenores de gestão em fase de desenvolvimento e tudo ficará mais claro a seu tempo.

Haverá sempre novos argumentos dos Velhos dos Restelo, mas aqui ficam alguns dos mais ouvidos ao longo deste processo de criação do Faktual: “nem pensar que os jornalistas vão trabalhar de borla”; “não tens hipótese de ter um projeto desses porque não terás publicidade”; “as pessoas não vão pagar para ler, nunca”; “sem um grupo económico a dar força, não consegues levantar voo”… A todos estes comentários digo: o projeto está aqui, os jornalistas com qualidade andam por aí, (os que têm vontade de dar outra oportunidade ao jornalismo, pelo menos); o dinheiro é algo que vai surgir com a qualidade do produto. E a qualidade, só é possível com profissionais experientes.

O risco, neste momento, será apenas de esforço na escrita. É assim que começam as histórias: E se este for o modelo que funciona?

Sem Jornalistas, não há Jornalismo e sem Jornalismo isento, não há Democracia. E, acredito que seja uma afirmação consensual, é preciso devolver a dignidade ao jornalismo. Esta dignidade não se consegue apenas com textos de opinião bem escritos, a apelar ao coração. É preciso agir e tomar as rédeas da profissão. Só desta forma os jornalistas voltam a ter força e a ser profissionais respeitados. Estes dois primeiros editoriais que publico servem apenas para dar a conhecer o projeto e são dirigidos, essencialmente, aos jornalistas. Um apelo e a passagem das ideias que acredito serem o caminho para o futuro.

Como nota final, gostava de acrescentar algo que o ator, e fundador da Hit Record, Joseph Gordon-Levitt, disse na penúltima conferência da Web Summit: “estou curioso por perceber como estes princípios (comunidade, compensação justa, colaboração) serão aplicados a outras áreas, como o jornalismo”. 

Há centenas de jornalistas que escrevem, isoladamente em blogs, que desabafam. Mas, porque razão os jornalistas não se unem de forma a ter projetos colaborativos, independentes, com força? Todos conhecem a analogia dos elos que formam a força de uma corrente, sozinhos são apenas mais um, unidos formam um projeto.

Deixo aqui o vídeo com a apresentação de Levitt. Quem quiser pode ouvir tudo, até porque há uma sequência no discurso, mas podem ir diretamente para o minuto 22:00. E ele não foi o único a falar do tema dos conteúdos durante a Web Summit. Por isso, reforço, os jornalistas existem, e o Faktual está aqui, apenas precisa dos colaboradores!